quarta-feira

melancolia vespertina crônica

Tudo passa, tudo tudo tudo. Tudo passará. Que nem o vento, que vai e nunca volta. Fica só o frio. As lembranças mais queridas, os momentos mais afetuosos, tudo tudo tudo. Mesmo a solidão e o esquecimento, que parecem persistir, um dia se irão para muito longe. Tão longe que já não serão, e nada terá sido. Feito o mar que quebra, nunca quebra igual -- e aquela vaga que quebrou, ela teve seu momento, formou-se, inchou-se de impulso, quebrou e espumando se foi. E não voltará. Fica só a noite vasta. Mesmo as estrelas, segundo os astrônomos, um dia explodirão numa última orgia celeste e então ir-se-ão embora para sempre. Ainda segundo os astrônomos, nosso bruto, imenso, neutro e lindo universo desvanecerá no nada preto que eventualmente o engolfará. Mas quem se importa com astrônomos? Coitados deles!, noites e noites calculando quantas centenas de bilhões de anos daqui até algum fim. Em suas buscas cósmicas não percebem os inumeráveis fins que todo dia se nos abatem. Quantas coisas esqueci hoje? Quantas memórias outrora preciosas não terei esquecido amanhã, quando me levantar dos meus sonhos -- que serão obliterados pouco depois do despertar? Nada fica, absolutamente. Até hoje Arquimedes deve estar revirando a galáxia atrás do seu Ponto Fixo. E até hoje estou procurando aquele gosto que sumiu da minha boca. Um gosto de quartzo-rosa. Daqueles como já não se fazem. Será que um dia esquecerei também o sabor dos quartzos?

6 comentários:

Anônimo disse...

Não,tudo é válido desde que seja dolorido e a lembrança é um amargo sabor pra dias diferentes do nosso paladar...
Tudo tudo não....

Mary Prozak disse...

All things must pa-ass
All things must pass a-way...

Anônimo disse...

Hey!
How have you been?
do not be gone long, friend!
Miss you

Fernando disse...

Até o frio, a solidão e o esquecimento passarão. O tempo é o grande apaziguador das nossas dores. Nada é tão grande e ambiguamente tão pequeno. É como olhar para trás e ver as pegadas na areia, ora temos certeza de estávamos sozinhos, ora nem tanto, mas quando a preamar acontece e cobre em alguns pontos toda a areia, todo o passado torna-se recente e voltamos a escrever nossa história de novo, sem lembranças, sem sequer lembrar o gosto do quartzo-rosa que por tanto tempo nos acompanhou. É a melancólica manhã que torna renascer todos os dias.

natascha disse...

As lembranças ficam. Apenas parecem hibernar - ocultas até um novo despertar. Um cheiro, um som, uma paisagem nos fazem reviver aquela lembrança que já parecia perdida.

;] Sorriso disse...

Sintonia matinal motivante:
Seja você mesmo o seu despertar. O sol brilha pra todos. Nada tão instigante como um belo dia de primavera.
Luz!